sexta-feira, 11 de setembro de 2015

A dança

Ela dança e se contorce
Em mim, por mim e comigo
E eu a deixo, a sinto e assisto
E assim ficamos horas e horas
A nos embalar ao nosso prazer

Eu tento agarrá-la, ela se nega
Eu tento pegá-la, ela escapa
Eu tento prende-lá, ela se solta
Eu tento deixá-la, ela se fica
Eu tento nada, ela me tenta

O ritmo aumenta e a gente se embala
A respiração pesada, os corpos suados
O sangue já quente, só a gente sente
O ritmo muda, nossa boca muda
Você abusada, eu me deixando
Eu abusado, você me deixando

E por fim, quando eu me vejo
Acabou nós, não houve nós
Foi só um momento, foi só algo
Foi algo sozinho, foi e não é mais
Maldita inspiração que me provoca e não fica
Quem sabe um dia, quem sabe um dia.

Nenhum comentário: