terça-feira, 23 de novembro de 2010

Um quadro

Eu sinto vontade de poetizá-la
Pintar sua foto em versos
Tão lindos quanto a beleza pode ser
Tão sensíveis em suas formas,
Tão únicos como você é em sim mesma.


Sinto vontade de poetizá-la
E te eternizar como sendo minha
Como sendo só minha, a mais perfeita obra
Da qual nenhuma superaria.


Sinto vondata e poetizá-la
Em rimas perfeitas, poucos versos
Três ou quatro, quem sabe?
Mas que nestes versos houvesse todo o sentimento
Que eu sinto de ti, e que jamais serão meus.
Assim como este poema, que jamais pintarei.


Você é assim, não se pode resumir em palavras
Não pode se cantar em rimas
Não se comporta em versos
Não transcorre pelas minhas mãos.
Você não é. Você, só eu sinto
Forte, direto em mim, mas nunca minha.

Mais de mim

Se você visse o mundo com meus olhos,
Visse toda a verdade daqueles que mentem,
Sentisse toda a mentira daqueles que falam a verdade,
Se você visse a tristeza nos olhos de quem se diz feliz
E se percebesse toda leveza daqueles que se sentem tristes.

Se ouvisse o mundo com meus ouvidos
Ouvindo as canções dos que calam,
Percebendo o vazio dos palavras dos que dizem,
Se sentisse o ecoar do silêncio do medo
E o vazio que soa das multidões.

Se sentisse com a minha pele,
O toque dos que estão longe,
O frio daqueles que te abraçam,
O abraço amargo da derrota
E a alegria efêmera da vitória.

Se você me sentisse, como eu me sinto,
Se chorasse pelo que eu choro,
Ou, se pelo menos, escrevesse com minhas palavras,
Dissesse com meus pensamentos e falasse com meus gestos,
Saberia o porquê de mim, o senão se eu
E o que eu digo estas palavras que só eu sei o quê falam.