segunda-feira, 4 de março de 2013

Muda história

Escrevo pra audiência pouca
Meu berros de desespero
Por vezes a minha voz rouca
Em versos se faz aguaceiro

Mas a chuva que outrora forte
Agora se faz amena
As dores de quase morte
Agora me são pequenas

Sinto a vida em mim sorrindo
De um jeto que nunca vi
Me sinto como bem vindo
Por caminhos d'onde fuji

Sorvo a paz que vem lentamente
Pra que sempre ela me aqueça
Da flor da alegria a semente
Cultivo, pra que ela floresça.

Nenhum comentário: