quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Renúncia

Eu senti o seu alento gélido nas longas noites em que lhe compartilhava minhas lágirmas,
E com ela passei dias esperando a vinda de algo melhor.

Eu dividi com raiva meus medos, meus sonhos, e meus desesperos,
E ela calada só manteve-se ao meu lado, me ouvindo estática.

Eu fui aquele que lhe cantava canções, lhe escrevia poemas, e que passava horas a pensá-la.
Eu fui pra longe, me escondi, briguei com todo o mundo, e ela sempre esteve ao meu lado.

E apesar de tudo isso, de toda essa fidelidade cega e irracional,
Eu, dubitavelmente, renuncio essa companheira. Renuncio.

Não desejo mais esse silêncio resiliente,
Não quero mais sentir sua companhia ao meu lado,
Seu olhar apaixonado e piedoso sobre meu cadaver que insiste viver,

Me dispeço, mesmo sabendo que é impossível.
Pois sei que um dia voltará para mim, cedo ou tarde.
Sei que um dia, de repente, ao olhar para o lado... talvez para frente
Ela vai estar lá, triste, pálida, cálida e intensa,

E como sempre fez outras vezes, silenciosamente,
Olhará em meus olhos, pegará a minha mão,
E seremos de novo nós dois,
Só eu e a solidão.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

"em vão"

Dos amores que senti,
Das bocas que beijei,
Das dores que ardi,
Dos planos que criei,
Todos foram embora,

E o que ficou foram poucas,
palavras rasas,
rimas tristes,
que reúno no livro,
ainda novo,
de minha vida.

Hoje escrevo sobre o que se passou,
Pois não sinto mais sobre o que escrever.

Não escrevo mais da musa, que me tira o sono,
Não escrevo mais da dor, que atrai o choro,
Não escrevo mais das coisas, que me fazem amar.

Escrevo somente do dias que se foram,
E das palavras que ficaram,
Transfiguradas em escaços versos,
Transformadas em vis palavras,
Que tentam, em vão,
Serem mais tristes
Do que este coração.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Há impactos na vida que são tão fortes,
Que eu nem sei mais onde estou.

Há momentos na vida tão intensos,
Que eu nem me lembro de viver.

Há horas que passam tão rapidas,
Que dá até medo de morrer mais cedo.

Há lembranças tão gostosas em minha memória,
Que as vezes penso que elas não existiram.

Há vazios tão grandes em minha cabeça,
Que já me esqueci
Desses impactos,
Desses momentos,
Dessas horas,
Dessas lembranças.